#099 – O Brasil vai ser feliz de novo?

Estive neste final de semana acompanhando o tal ato contra o Bolsonaro que juntaria mais de 20 partidos políticos, movimento sociais, estudantes, mulheres, indígenas. Segundo o cara que abriu os trabalhos do maior trio elétrico da Paulista, estavam ali os maiores nomes da esquerda, centro e centro-direita do país. Passei umas cerca de 5 horas fotografando e muita coisa me veio na cabeça – e vou compartilhar agora com você.

O nome da esquerda é Lula e não tem como. Mesmo com a não ida do ex-presidente, nove em cada vez pessoas gritavam seu nome, usavam roupas e apetrechos a ele, faziam o L com as mãos… Quem estava ontem na Paulista, em sua grande maioria e totalidade, era quem quer a volta de Lula.

Ciro Gomes está enrascado. O ex-ministro esteve na Paulista e contava com uma grande quantidade de apoiadores – com uma estrutura idêntica a que ele levou na manifestação da terceira via: as mesmas bandeiras, adesivos, faixas, barraquinha de souvenir. Tudo igual. Mas, ao contrário da última vez, quando ele foi bem recebido e aplaudido, dessa vez ele foi vaiado e teve uma baita confusão durante a sua saída. O pedetista, ao meu ver, está confuso: ele corteja a centro-direita e direita e tenta também cortejar a esquerda – essa última totalmente alinhada com o ex-presidente Lula. Ciro tem feito duras críticas ao PT e ao ex-presidente Lula e, por isso, a turma da esquerda não tem aceitado a presidente do ex-ministro – e ela ainda não esqueceu a ida dele a Paris no segundo turno de 2018. Ciro precisa se decidir: ou ele vai de vez pra centro-direita e esquece a esquerda ou para se criticar a esquerda e se une a ela.

Sai o fascismo e a entra a falta de comida. Essa, ao meu ver, foi uma das grandes mudanças da manifestação. Os primeiros atos contra Bolsonaro tinham mensagens claras e direcionadas a mensagem anti-democrática e fascista do presidente. Nesta última, vi muitas mensagens sobre a crise econômica, principalmente sobre a alta dos preços e o desemprego. Outra mensagem que entrou de vez foi a responsabilização de Bolsonaro sobre as mortes na pandemia. 

Falta unidade até no ato – agora imagine na eleição. Isso também ficou claríssimo: havia várias manifestações dentro de uma manifestação. Nenhum dos grupos se conversavam. Era cada um por si e Marx por todos. Num oposto da Paulista, havia o PCB cheio de jovens; pouco depois, alguns jovens do Movimento Revolucionário de Trabalhadores (MRT), próximo do carro do Sindicato dos Radialistas e depois vinha um grande grupo do Bloco Feminista. Ai seguia com um monte de turma: corintianos, palmeirenses e são paulinos antifascistas, a CUT, CTG, Metalúrgicos, o movimento negro, a Juventude do PT, o PDT, o PCO e assim ia… Mesmo estando bem próximos, parecia que cada um vivia em seu mundo. Se essa turma toda não se fala nas ruas, imagina dentro dos gabinetes pra decidir quem será o candidato único.

O protesto é via live e com muita hashtag. Às vezes tenho a sensação de que todas (de todas as correntes políticas e de todos os lados) as manifestações são feitas apenas para serem transmitidas, compartilhadas e divulgadas nas redes sociais. Minha impressão é que as falas, as performances e tudo mais é feito para fora e não para aquele momento ali. Cria-se um espetáculo para as fotos, para as lives e para as selfies. Também tenho pensado muito nisso. Do que adianta mesmo um ato como o deste final de semana sendo que ninguém ali está aberto a tal Frente Ampla e sim abertos para serem fotografados, para gerar meme e imagens de braços dados? 

Temos um cenário aberto para 2022 e que ainda vai gerar muito embate/discussão.

A esquerda tende a se unir em torno do ex-presidente Lula. Mas nada é muito certo porque há os acordos estaduais e que podem gerar ruídos. Dou um exemplo: Lula tem falado com Eduardo Paes (PSD) sobre o governo do Rio de Janeiro e o apoio do petista ao escolhido dele: o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz. Mas o ex-presidente é muito próximo do PSB e de Marcelo Freixo, candidato do partido no estado. 

A tal terceira via está cada vez mais acabada. Não surge nenhum nome que anime e que una todo mundo. O PSDB ainda bate cabeça entre os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite. PSD não sabe bem ainda o que vai fazer – e isso também vale para vários outros candidatos como Mandetta, Sérgio Moro, entre outros. O próprio Michel Temer ameaçou se lançar e já fala em uma “quinta via“.

Bolsonaro está cada vez mais afundado: CPI da Covid, problemas com os filhos, inquérito da Fake News, denúncias contra a primeira dama, negacionismo, tratamento precoce, falta de um partido, aumento da pobreza… Ainda volto a dizer: acredito que ele possa nem se candidatar. Veremos. Mas ai fica a questão: quem será o candidato bolsonarista? 

Maior investigação jornalística da história revela empresas em paraísos fiscais de ministros de Bolsonaro, bilionários, reis e estrelas do pop

Foi divulgado neste domingo o Pandora Papers, projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, o ICIJ, com sede em Washington, DC. O consórcio teve acesso a 11,9 milhões de documentos sobre offshores em paraísos fiscais. A investigação dos Pandora Papers reúne mais de 600 profissionais em 117 países e territórios. Além do ICIJ, outros 150 veículos participam do trabalho. Integram o projeto no Brasil a revista piauí, os sites Poder360 e Metrópoles e a Agência Pública. Vejam abaixo as primeiras reportagens.

Paulo Guedes tem offshore milionária em paraíso fiscal. Documentos inéditos comprovam o investimento, mas o ministro não é um caso único no governo: o presidente do Banco Central fez o mesmo. (revista piauí)

Trilhões, crimes e segredos. Políticos e funcionários públicos de 90 países guardam dinheiro em paraísos fiscais; criminosos, bilionários e celebridades também integram a lista. (revista piauí)

Investigados por fake news, empresários bolsonaristas têm offshores em paraísos fiscais (Metrópoles)

Pandora Papers revela offshores de sócios da Prevent Senior, MRV, Riachuelo e outras 17 das maiores empresas do Brasil. 25 sócios ou donos de 20 das maiores empresas do Brasil têm offshores em paraísos fiscais. (Metrópoles)

Na América Latina: três chefes de Estado e 11 ex-presidentes operaram em paraísos fiscais. (El País)

Os mais poderosos da América Latina e suas relações com negócios ‘offshore’. Documentos revelam as sociedades opacas que políticos e empresários de todo o continente abriram com a ajuda de 14 escritórios de advocacia (El País)

🇺🇸 Figuras da direita radical, banidas dos bancos convencionais, estão levantando milhões em criptomoedas (AP)

🇺🇸 As fraternidades universitárias dos EUA e a cultura do estupro. Quase 15.000 pessoas assinaram uma petição pelo fechamento da Phi Kappa Psi, da Universidade do Kansas, após um caso de violência sexual em setembro. A pressão social cerca os grêmios estudantis suspeitos de acobertar abusos. (El País)

🇺🇸 Milhares vão as ruas contra as leis de restrição ao aborto (Reuters)

🇬🇧 A maioria dos britânicos acha que a desigualdade de gênero não será tratada enquanto a Grã-Bretanha se recupera da pandemia (Ipsos)

🇫🇷 DNA de ex-policial encerra busca de 35 anos por serial killer na França (BBC)

🇫🇷 Nicolas Sarkozy é condenado a um ano de prisão pelo financiamento ilegal de sua campanha em 2012. Ex-presidente francês não precisará ir para a cadeia: a pena, que poderá ser cumprida em regime domiciliar com tornozeleira eletrônica, ficará suspensa porque seu advogado vai recorrer. (El País)

🇩🇪 Idosa de 96 anos foge de julgamento por crimes durante o nazismo e é presa na Alemanha (O Estado de S. Paulo)

🇳🇱 Cientistas tentam descobrir por que holandeses estão encolhendo (BBC)

🏴󠁧󠁢󠁳󠁣󠁴󠁿 Escócia é o primeiro país do mundo a incorporar questões LGBTQIA+ no currículo escolar (Them)

🇮🇸 Islândia testou uma jornada de trabalho mais curta. Deu certo. (Você S/A)

🇻🇦Contra crime sexual sistêmico, papa muda Código de Direito Canônico (UOL)

🇦🇫 Comunidade afegã LGBTQIA+ volta às sombras (Yahoo Brasil)
🇭🇹 Eleições no Haiti são adiadas em meio a instabilidade política (Al Jazeera)

🇻🇪 Presidente Nicolás Maduro disse que o país fará exercícios militares durante todo mês de outubro (Télam)

🇻🇪 Venezuela elimina seis zeros de sua moeda pela hiperinflação (G1)

🇦🇷 “Meu alinhamento com Trump e Bolsonaro é quase natural”. diz fenômeno eleitoral do momento na Argentina (O Globo)

🇨🇱 Câmara dos Deputados aprova a descriminalização do aborto até 14 semanas (La Tercera)

🇪🇨 Rebelião no Equador causa a morte de 118 presos em Guayaquil. O massacre ocorreu depois da disputa entre facções rivais. (BBC)

🇨🇺Governo cubano aprova as primeiras 35 micro, pequenas e médias empresas (MIPYMES). Deste total, 32 são privadas e serão de serviços como produção de alimentos, pesca, fabricação de máquinas, exportação de atividades de programação, entre outros. (Cubadebate)

🇲🇿 Moçambique lidera países lusófonos em participação feminina na política (Folha de S.Paulo)

🇦🇺 Por que uma cidadezinha australiana decidiu se enterrar no deserto. Um grupo de mineiros em busca de fortuna fundou Coober Pedy em 1915. Ali encontraram opala e cavaram 250.000 buracos. Nessas tocas humanas, onde as temperaturas são de 22 graus em comparação com os 45 da superfície, residem seus 1.700 habitantes recenseados (e talvez mais alguns). (El País)

🇶🇦 Cataris vão as urnas pela primeira vez para eleger 30 dos 45 membros do chamado Conselho da Shura (Al Jazeera)

🇹🇳 Milhares de simpatizantes do presidente tunisiano Kais Saied se reuniram na capital para mostrar seu apoio à suspensão do parlamento feita por Saied. (Al Jazeera)

#MandaDicas

“Você sente que a sua vida é uma lista de tarefas infinitas? Fica perdido por horas no feed do Instagram porque está cansado demais para ler um livro? Está atolado em dívidas, sente que está o tempo inteiro trabalhando ou tenta transformar qualquer coisa que te traz alegria em algo que gere lucro? Bem-vindo(a) à cultura Burnout. Analisando a estrutura social na qual os Millennials foram criados e da qual fazem parte, Anne Helen Petersen desconstrói os mitos que envolvem essa geração e revela como o burnout afeta todos os aspectos de nossas vidas. Unindo uma abordagem sócio-histórica, entrevistas inéditas e uma análise detalhada, Petersen oferece um olhar estimulante, íntimo e esperançoso sobre a vida de uma geração muito difamada.”
(Texto – Amazon Brasil)
Elegante, desbocada, inteligente e sempre encantadora, Elke Maravilha revolucionou as passarelas da moda antes de se tornar atriz, cantora e jurada de programas de auditório. A modelo carismática que explodiu no começo dos anos 1970 conquistou milhões de fãs na televisão com sua beleza exótica e seu humor brejeiro. Alemã de nascimento, filha de pai russo e mineira de coração, ela foi principalmente uma cidadã do mundo, fluente em várias línguas e culturas. Até morrer, em 2016, foi dionisíaca e livre como os personagens que encarnou. O fenômeno Elke influenciou artistas e ativistas e tem inspirado sucessivas gerações de LGBTQIA+, fascinadas por sua liberdade de ser e pensar. (Texto – Todavia)
A transmissão de julgamentos pela TV Justiça é um erro e contribui para a espetacularização da Justiça, diz o advogado criminalista Augusto de Arruda Botelho, que está lançando o livro “Iguais Perante a Lei” pela editora Planeta. A obra é um guia prático com o objetivo de ajudar o cidadão a defender seus direitos. Arruda Botelho apresenta de maneira simples e didática uma série de informações e conceitos sobre o funcionamento da Justiça no Brasil. Mas o livro também trata, em sua introdução, de questões mais amplas sobre o Judiciário — e de maneira bastante crítica. Como as transmissões da TV Justiça que, afirma ele, criaram uma relação midiática entre magistrados e sociedade. Arruda Botelho também sustenta a ideia de que a politização excessiva do Judiciário chegou às raias da partidarização, como se observou nos processos do Mensalão e da Operação Lava Jato — na qual ele atuou na defesa de acusados.
O podcast Leia Como Uma Garota debate as obras literárias de mulheres. Neste episódio, Carol Lima, Fabris Martins, Lorena Macedo e Fernanda Cortez vão abrir seus livros antes da leitura de Quarto de Despejo. Na discussão, elas falam sobre a biografia da autora Carolina Maria de Jesus.

Leituras complementares

CPI pedirá responsabilização de Bolsonaro por mortes na pandemia, diz Renan (Poder360)

Preferência por Lula e Bolsonaro sobe, diminuindo espaço para 3ª via (Poder360)

Disputa entre assessores de Bolsonaro divide gabinete do ódio (UOL)

Eduardo Bolsonaro ofereceu ajuda para blogueiro investigado pelo STF deixar o país (Folha de S.Paulo)

Michelle Bolsonaro agiu para beneficiar amigos em empréstimos da Caixa (O Estado de S. Paulo)

PGR diz ao STF que Jair Bolsonaro iniciou convocações para atos antidemocráticos de 7 de setembro (O Globo)

Quanto mais centrista Lula for, melhor, diz Flávio Dino, governador do Maranhão (Folha de S.Paulo)

General Santos Cruz diz que vai se candidatar para evitar que Bolsonaro arraste Forças Armadas a jogo político (O Globo)

Acusado de financiar fake news, Fakhoury deu dinheiro a ONG dos Weintraub e Força Brasil. O empresário bolsonarista Otávio Fakhoury, investigado em inquéritos no STF, falou à Pública antes de seu depoimento hoje na CPI da Pandemia. (Agência Pública)

“Sua família não é melhor que a minha”, diz Contarato a depoente. Em sessão da CPI da Covid, senador capixaba rebateu publicação homofóbica do empresário bolsonarista Otávio Fakhoury, que pediu desculpas. (Nexo)

Marcelo Freixo (PSB) lidera corrida pelo governo do RJ com 25%. (Revista Fórum)

Real é a 3ª moeda emergente que mais se desvalorizou na pandemia (Globo News)

Ipea rebaixa projeção de crescimento do PIB em 2022 (Valor)

Setembro termina como o mês com menos mortes por Covid em 2021 no país; foram 16.275 vítimas. (G1)

Racismo é responsável por mais de 60% dos casos de depressão em favelas do Rio durante a pandemia (Alma Preta)Número de processos judiciais envolvendo redes dispara em 2020. (Núcleo Jornalismo)

Ciência brasileira cresceu no Twitter e impulsionou lições anti-negacionistas (Rede de Jornalistas Internacionais)

Savanização da Amazônia vai gerar calor extremo para 11,5 milhões (UOL)

Ex-Google diz que empresa “está criando Deus” com projeto de IA (Olhar Digital)

Câmara aprova marco legal para inteligência artificial; entenda implicações (CNN Brasil)

“As pessoas, às vezes, passam aqui e olham pra gente como lixo”. (O Globo)

De corpo e alma na luta: a enfermeira que batalha pelo aborto seguro há 40 anos. Paula pega mulheres pela mão para garantir que tenham direito ao aborto legal e seguro (AzMina)

Brasil retrocede enquanto descriminalização do aborto avança na América Latina. Coordenadora do Católicas pelo direito de Decidir, Rosângela Talib diz que mentalidade conservadora foi institucionalizada e barra avanço de direitos reprodutivos e sexuais no país. (Agência Pública)

Youtube baniu todos os vídeos anti-vacina (Independent)

#FotoDaSemana

Foto: Rodney Costa

#GráficoDaSemana