Tô curado da Covid! E tenho novidades

Semana começando e amanhã, terça-feira, encerra a quarentena minha e da Jéssica por causa da Covid. Foram 10 dias desde os primeiros sintomas. Tivemos dores de cabeça e no corpo, garganta bem dolorida, nariz bem ruim, indisposição. Eu tive mais problemas na garganta e a Jé mais na cabeça. Depois deste longo inverso, voltaremos ao mundo real. Fica aqui o meu agradecimento a todo mundo que mandou boas energias e ajudou. <3

Qualquer dia desses, da janela do escritório aqui de casa,
quando acordei às 6 e pouco da manhã com muita dor de garganta.

Neste tempo que fiquei em casa, consegui trabalhar (hehe), mas também botei de pé dois projetos que já eram para ter saído há tempos.

O primeiro é o boneco do meu novo fotozine: Vida Loka também ama Pt. 2. Para quem não sabe, fotografo às pessoas em situação de rua desde 2015 aqui em Mogi das Cruzes. Lancei uma primeira edição com uns amigos de Curitiba e agora quero lançar a segunda. Montei o boneco e você pode ver ele aqui. Agora estou na fase de ver se vai rolar mesmo: os custos. Vamos torcer! Se você tiver interesse, já responde este e-mail que, se sair o fotozine, um já é seu.

O segundo é que comecei a movimentar o meu Titktok com os livros que tenho em casa. Semanalmente, envio o #MandaLivro com dicas de coisas que vejo por aqui. Lá na outra rede, estou falando sobre os livros que tenho em casa – e falarei de mais coisas que ainda estou organizando e pensando. A Jé (lindona) é a responsável pelos vídeos. Social media maravilhosa.

Já postei dois vídeos: um sobre facções criminosas e outro sobre crimes e assassinatos. Me sigam por lá clicando aqui.

🇦🇷 Câmara Federal de Justiça de Buenos Aires revoga  processo contra o ex-presidente Mauricio Macri (2015-2019), acusado de espionar os familiares das vítimas do desastre do submarino ARA San Juan. (Clarín)

🇨🇱 Chile pede extensão de emergência para conter protestos indígenas no sul do país. (Valor)

🇺🇾 Presidente uruguaio anunciou inicio de negociações comerciais com a China. (Infobae)

🇨🇴 Para a ONU, o novo governo colombiano tem a responsabilidade de acelerar a implementação do Acordo de Paz. (ONU)

🇵🇪 Expansão de roçados de coca no Peru aquece busca por mão de obra indígena no Alto Solimões. (Agência Pública)

🇻🇪 Entre janeiro e março, Venezuela prendeu três norte-americanos acusados de estarem tentando entrar ilegalmente no país. (AP)

🇵🇾 A febre da mineração criptográfica que vive uma pequena cidade no Paraguai. (BBC)

🇪🇨 No Equador, governo e indígenas continuam as negociações depois dos protestos. (RPP)

🇭🇹 Confronto entre as gangues rivais G9 e G-Pep deixa ao menos 89 pessoas foram mortas em apenas uma semana. (DW)

🇵🇦 Depois de protestos, presidente do Panamá anuncia redução do preço dos combustíveis e de produtos da cesta básica. (El Economista)

🇸🇻 Estudo indica concentração de poder no governo de Bukele em El Salvador. (Swissinfo)

🇺🇸 Alimentando o negacionismo. Comitê da JBS financia políticos negacionistas da mudança climática nos EUA. (The Intecept Brasil)

🇺🇸 Inflação dos EUA chega a 9,1%, maior nível desde 1981. (Poder360)

🇺🇸 Donald Trump em 2024: ‘Já tomei essa decisão’ A única dúvida que fica na cabeça do ex-presidente é quando ele vai anunciar. (New York Mag)

🇨🇦 Banco Central do Canadá eleva taxa básica de juros em 1%, maior alta desde 1989. (CNN Brasil)

🇮🇷 Irã enviará centenas de drones à Rússia para uso na Ucrânia, dizem EUA.
(The Washington Post)

🇮🇱 Como Israel e Arábia Saudita planejam, juntos, derrubar drones iranianos. (Haaretz)

🇱🇰 Após fuga, presidente do Sri Lanka renuncia por email. (UOL)

🇨🇳 Os números de membros no Partido Comunista Chinês. (Beijing Channel)

🇮🇳 Facebook é acusado de ‘branquear’ o relatório de direitos humanos sobre a Índia. (Time)

🇰🇵 “A RPDC critica hostilidade aberta dos Estados Unidos e seus satélites”.
(Nova Cultura)

🇹🇼 Taiwan vê lições com a guerra da Ucrânia. (Axios)

🇲🇲 Líder de Mianmar compra apoio e armas de Moscou. (Al Jazeera)

🇸🇩 Condenada por adultério no Sudão, mulher de 20 anos é sentenciada à morte por apedrejamento. (O Globo)

#MandaDicas

Bem-estar com auxílio maior deve ajudar Bolsonaro. O jornalista e analista político da FSB Comunicação Alon Feuerwerker avalia que há tempo suficiente para o presidente Jair Bolsonaro (PL) aferir o impacto eleitoral do aumento do Auxílio Brasil até o 1º turno das eleições, em 2 de outubro. A conversão de votos a seu favor dependerá da chamada sensação de bem-estar entre os beneficiários, ou seja, o mandatário poderá melhorar seu desempenho eleitoral se as pessoas sentirem que o recurso foi útil. “Se o dinheiro chegar no bolso do eleitor e a sensação de bem-estar crescer durante a campanha eleitoral, mesmo que a gente tenha pouco tempo para a eleição, que é um período muito intenso de busca de informação, eu acredito que há tempo suficiente para isso ter impacto”, afirmou. (Texto – PoderDataCast)
Bolsonarismo imita Estado Islâmico. O risco que temos agora é de que o Bolsonarismo se torne como o Isis. A comunicação é construída para ser violenta e, aos poucos, vai gerando lobos solitários. Bom ser claro: assassinos solitários. A campanha nem começou.
(Texto – Ponto de Partido | Meio)
Glamorização da maconha não é boa pra ninguém. A sociedade brasileira tem pouco interesse em discutir a descriminalização da maconha, diz o historiador Jean Marcel Carvalho França, professor da Unesp de Franca e autor de “História da Maconha no Brasil”. O livro aponta o enraizamento do consumo da cânabis no cotidiano dos brasileiros, principalmente negros e pobres, desde o século 18. O pesquisador discutiu como os movimentos proibicionistas difundiram discursos alarmistas e construíram uma imagem negativa dos usuários da maconha. França também defendeu que o debate sobre os usos da maconha deve ser mais pragmático, balanceando os potenciais terapêuticos e os possíveis custos sociais do seu consumo, e criticou a ampliação do acesso à cânabis por meio de decisões judiciais, não de um debate público mais amplo. (Texto – Ilustríssima Conversa)
Perifacon 2022. É a primeira convenção nerd das favelas. Nascemos com o objetivo de falar de quadrinhos, desenhos, filmes e cultura nerd, geek e pop nas quebradas de São Paulo. Depois da pandemia, o evento volta e será no dia 31 de julho na Casa de Cultura de Brasilândia.
Veja tudo aqui.

Leituras complementares

Política nacional

Bolsonaro lidera em 8 dos 17 estados nos quais venceu em 2018. (Metrópoles)

Jair Renan Bolsonaro: “Quem sabe eu não sou o próximo Elon Musk?”. (Metrópoles)

CGU aponta pagamentos e ocupações irregulares de 2,3 mil militares. (Carta Capital)

Pros cita Flávio Bolsonaro em áudio que indica negociação por sentença.
(Folha de S.Paulo)

Assassinato de petista: 67% das menções nas redes foram em repúdio; post de Bolsonaro teve o maior alcance. (O Globo)

Cúpula do PL reprova tom de Bolsonaro sobre assassinato de petista, mas não espera mudanças. (O Globo)

Filho de petista assassinado por bolsonarista diz que pessoas ligadas ao presidente ‘estão fazendo campanha’ com morte. (g1)

Vigilante diz que atirador gritou ‘aqui é Bolsonaro’ antes de disparar e matar petista. (UOL)

Freixo e aliados denunciam intimidação por parte de deputado bolsonarista e apoiadores, na Tijuca. (Yahoo Notícias)

2022 bate recorde de mudanças na Constituição. (Poder360)

Collor: o mais experiente representa o vazio de propostas. (Repórter Nordeste)

TCU aprova mecanismos de gestão de riscos das urnas eletrônicas. (Consultor Jurídico)

Desde 1945, só 1 presidente venceu as eleições sem ganhar em MG. (Poder360)

Sociedade

A armação do MBL contra o Padre Júlio Lancelotti. Dois ex-militantes revelam a engrenagem do movimento para moer reputações. (revista piauí)

Os direitos de quem vai dar à luz. E os protocolos médicos. (Nexo)

Proibição do aborto remodela onde as jovens norte-americanas escolhem viver. (Axios)

Brasil abriu quase um clube de tiro por dia sob governo Bolsonaro. (UOL)

Brasil perdeu quase 800 bibliotecas públicas em 5 anos. (BBC Brasil)

A Cracolândia não diminuiu, só se espalhou. (LabCidade)

‘Não pude pegar meu filho no colo antes de ele falecer’, diz paciente sedada por médico preso por estupro. (Extra)

Como futebol por streaming virou obstáculo para idosos: “Não sei como ver”. (BBC Brasil)

Art Spiegelman, de ‘Maus’, diz que veto a livros é fase terminal dos Estados Unidos. (Folha de S.Paulo)

Tecnologia

Como a inteligência artificial pode potencializar o futuro da indústria de jogos. (Forbes)

Google se torna a mais recente gigante de tecnologia a desacelerar contratações.
(CNN Business)

O poderoso telescópio Webb encontrou água nas nuvens deste planeta alienígena. (Mashable)

O vazamento da Uber expõe a guerra mundial contra os trabalhadores. (JACOBIN)

Economia

Após 28 anos de existência, nota de R$ 100 compra hoje o mesmo que R$ 13,91 em 1994. (g1)

Segurança pública

Massacre de Guapo’y: PM e pistoleiros matam indígenas no Mato Grosso do Sul.
(Ponte Jornalismo)

Omissão do governo na Amazônia ajuda narcotráfico, depõe indígena. Depoimento sigiloso foi dado à comissão no Senado que investiga assassinatos do indigenista Bruno Araújo e do jornalista Dom Phillips. (Metrópoles)

Na contramão da recuperação econômica, segurança privada volta a perder postos de trabalho em 2021. (Fonte Segura)

Comunicação

O comportamento do consumidor no Social Shopping. (Sprout Social)

Marketing de influência: um panorama do mercado. (Youpix)

#ChargesDaSemana

#GrafosDaSemana

via @pedro_barciela
Um agrupamento específico (14% dos usuários) tenta difamar o petista que foi assassinado por um bolsonarista no Paraná. Frases como “um a menos” e “era bandido” ganham espaço. Como esses usuários se descrevem em suas bios do Twitter? Cristão, Deus, Família, Pátria e Bolsonaro…

via @pedro_barciela
Dois momentos após o assassinato de Marcelo Arruda: no 1º grafo, o bolsonarismo (verde) sem um argumento central (17% dos atores). No 2º, após Otoni de Paula (RJ) ir até o Paraná e “espetacularizar a solidariedade” aos irmãos bolsonaristas, o bolsonarismo vai para 33%. 

#GráficosDaSemana

#CapasDaSemana