Você pratica a Empatia?

Falar de empatia parece muito fácil, mas no fundo pode ser mais complexo do que imaginamos. Acredito que seja um dos exercícios mais difíceis que o ser humano é capaz de realizar.

Praticar a empatia vai além de olhar para o outro. Você precisa sentir, colocar-se no lugar daquele que chora, que você conversa e muitas vezes julga. Aceitar as diferenças. Para você se tornar uma pessoa empática, você deve no mínimo se autoconhecer. Entender e saber lidar com suas próprias emoções. O autoconhecimento, é algo que exige uma reflexão muito profunda si, e consequentemente te torna alguém melhor.


Outro ponto importante é o preconceito. Existem muitos preconceitos, até mesmo inconscientes (ocultos), que são capazes de trazer dificuldades no exercício da empatia. Reconhecer no outro características positivas e negativas às vezes nos assusta, pois nos deparamos com algumas realidades e fantasias inconscientes. Muitas vezes não somos capazes de lidar com esses sentimentos e nos “livramos” do que é desagradável de aceitarmos em nós, culpando o outro. Bem confortável, não é? (- estou sendo irônica, rs).

Falar sobre esse assunto, me faz lembrar claramente de algumas situações que passei há tempos atrás com uma ex-gestora. Ela me maltratava “de graça”, mas notava que muitas vezes era de forma inconsciente. Ela gritava para me chamar, quando eu chegava em sua mesa, ela me pedia coisas simples, do tipo, abrir um armário que estava a menos de meio metro dela para apanhar um livro. Muitas vezes sentia que ela queria me afetar, me magoar. Outras vezes, eu estava focada, correndo contra o tempo para entregar uma demanda e ela me fazia acompanha-la até o carro para carregar sua bolsa.

Quando essas coisas aconteciam, eu me sentia frustrada. Aos poucos, fui notando que o que faltava de empatia nela, sobrava nos outros, que de forma cuidadosa, me procuravam para rir das situações constrangedoras que eu passava, de forma solidária. Por pior que fosse o meu sentimento, o meu ato de ser empática com ela, tornava possível a reflexão daquela situação desagradável. Qual era a dor dela? Quais eram os motivos dela ser aquele tipo de pessoa comigo? Projeção negativa? Falta de Autoconhecimento?

Enfim, fica aqui a reflexão: você só poderá compreender e aceitar a dor do outro quando você for capaz de se identificar com aqueles sentimentos. É um espelho. Lembre-se, cada pessoa é única no mundo.